O Tigre e O Dragão | Confira nossa crítica do clássico de aventura na China medieval

1 mês atrás
915

Lançado em 2000, O Tigre e O Dragão é um renomado filme de origem chinesa que aborda conflitos em uma vila na época da idade média no oriente. A trama companha Li Mu Bai, um renomado guerreiro que, após seus tempos áureos, está para passar sua espada adiante para alguém mais jovem. No meio disso tudo, constantes tentativas de roubar a espada vêm também com algo forte que remete ao passado do protagonista.

O filme é dirigido por Ang Lee, que traz para a temática de ação o que há de mais fantástico na cultura chinesa. Apesar de não vermos aqui dragões ou criaturas místicas, há lutas impressionantes que colocam muitos filmes ocidentais é no chinelo. Inclusive, muito pelo apelo a cultura oriental, existem alguns maneirismos visuais que podem decepcionar e desagradar a quem assiste esse tipo de filme pela primeira vez. Apesar disso, quem já está acostumado com animes em que lutadores habilidosos apresentam capacidades sobre-humanas, provavelmente não verá nada de errado aqui.

No seu streaming: jura que você nunca viu… “O Tigre e o Dragão”? | VEJA

É interessante a forma como os principais elementos que irão reger a trama são apresentados e desenvolvidos na primeira metade do filme. Nesse caso, existe um cuidado especial para a ambientação, fazendo com que o espectador fique interessado com o que virá a seguir. Infelizmente, isso não se mantém a partir da segunda metade. Temos um foco exagerado em determinados núcleos de personagens, de modo que a  trama principal fique muitas vezes esquecida pelo roteiro. No tempo usado para desenvolver a  jornada de autoconhecimento uma personagem pelo deserto, o problema da vilã mais importante da história é simplesmente deixado de lado. Toda essa má administração das tramas no filme são a causa de um desfecho feito às pressas e sem o envolvimento emocional necessário.

O Tigre e O Dragão poderia ser um filme fantástico se tivesse uma preocupação melhor com o roteiro. Infelizmente, ao meu ver, as qualidades visuais e das cenas de ação não justificam o status de clássico ao qual o filme é atribuído. Porém, se você procura apenas uma boa aventura na China medieval distanciada do jeito hollywoodiano de ser, vale a pena dar uma conferida.