Loop Hero | Review da versão do Nintendo Switch

1 mês atrás
187

Desta vez o Alternativa Nerd traz a review de Loop Hero na versão Nintendo Switch que será lançada nesta quinta-feira, 9 de dezembro de 2021. Loop Hero foi lançado para Microsoft Windows, MacOS e Linux em 4 de março de 2021.

 

Assista ao trailer oficial de Loop Hero para Nintendo Switch:

 

História

Loop Hero 1

O poderoso mago Lich aprisionou o mundo em um loop atemporal, deixando seus habitantes em um caos inacabado. Nesta jornada será necessário aumentar seus cards místicos e posicionar-se diante aos inimigos, estruturas e áreas ao longo de cada ciclo de expedição.  Basta recuperar e abastecer seus espólios para cada uma das classes de herói para que suas batalhas e expansão do acampamento dos sobreviventes se fortaleça a cada aventura através desse ciclo atemporal. É necessário desbloquear novas classes, novos cards, vantagens e alguns guardiões durante sua missão para destruir o infinito ciclo.

Com a memória intacta, o herói entra em uma aventura pela escuridão para buscar uma forma de restaurar o mundo para o que ele era. No meio do caminho, há diálogos adicionais que podem deixar o enredo um pouco mais interessante.

 

Jogabilidade

Loop Hero 2
Alternativa Nerd/Reprodução

O grande destaque de Loop Hero encontra-se em sua jogabilidade, onde você pode escolher entre ser o Guerreiro, o Ladino ou o Necromancer. No modo aventura, o personagem move-se e luta contra inimigos de maneira automática, mas é função do jogador gerenciar os recursos, construir as estruturas que reúne uma variedade de itens que atribui equipamentos e melhorias ao personagem.

A aventura se inicia com o guerreiro bastante intermediário, que possui dano e defesa em nível moderado. O ladino, por sua vez, conta com uma jogabilidade mais ágil, possuindo acertos críticos e permitindo equipar até duas armas ao mesmo tempo. No entanto, o mesmo possui uma tolerância inferior de dano, tendo que recorrer a atributos de esquiva para não morrer.

Durante o gerenciamento de recursos, cada construção e cada batalha resulta em um fragmento de recursos diversificados. Com esses elementos, os jogadores podem construir uma base na qual são definidas as características e cartas utilizadas. Basicamente, isso faz com que os jogadores consigam progredir entre as partidas. É possível acelerar o tempo em até 4x, para tornar a partida menos exaustiva, mas às vezes a velocidade ainda não é o suficiente.

Com relação à construção dessas estruturas, é a parte onde necessita de um plano estratégico que definirá se o herói conseguirá aperfeiçoar a sua base, ou será derrotado pelas forças malignas. Após deixar a base, o herói passa a andar e enfrentar inimigos em um cenário que se repete constantemente. A cada batalha contra um inimigo, ele recebe uma carta de estrutura, que pode variar entre:

 

  • facilitar as batalhas adicionando atributos para o herói;
  • criar eventos únicos
  • permitir o surgimento de tipos específicos de criaturas.

 

Há uma variedade de cartas, e cada uma possui atributos diferentes, colocando os jogadores para planejar estrategicamente o posicionamento de cada estrutura para manter as recompensas, e proteger o herói.

Além de todo o planejamento nos cenários, vale ressaltar que existem diferentes classes de personagens, que além de alterar alguns atributos, ainda possuem equipamentos diferenciados e a necessidade de uma estratégia totalmente ousada.

O uso das cartas para complementar o bloco é uma das mecânicas centrais de Loop Hero, e dá uma complexidade ao jogo. Afinal, os inimigos mais fortes adquirem os melhores itens, e certas cartas como montanhas ou rochas permitem mais vida ao jogador. Porém, muitas cartas desse tipo juntas podem gerar mais inimigos fortes, o que leva o jogador a pensar estrategicamente onde colocar as suas cartas.

Existe uma carta realmente poderosa chamada Oblivion que apaga o que quer que esteja onde você a colocou. Essa carta você deve usá-la com moderação. E a melhor forma de utilizá-la é no acampamento dos inimigos mais poderosos, aqueles que surgem depois que você posiciona 10 rochas ou montanhas no cenário. Há criaturas que você pode obter ótimos itens que são muito mais gerenciáveis.

 

Trilha sonora & gráficos

Loop Hero 3
Alternativa Nerd/Reprodução

 

A trilha sonora é incrível, apresentando diversas faixas que geram esse sentimento de solidão, com referência nostálgica, que condiz com o título do jogo. A trilha acentua bem os momentos de calmaria do jogo e desespero quando os inimigos estão se aproximando.

Alternativa Nerd/Reprodução

Para tornar o enredo ainda mais viciante, o jogo é totalmente em gráficos pixelados, remetendo aos jogos RPGs da era Super Nintendo. Os personagens possuem retratos bastante detalhados durante os diálogos. Vale ressaltar que os diálogos ocorrem todos por meio de textos e para a felicidade dos brasileiros, os menus e as legendas estão disponíveis em PT-BR.

A experiência de modo geral é bastante intuitiva, e você facilmente perde algumas horas jogando nessa ambientação medieval. Vale lembrar que ao retornar à base, as construções são perdidas e mantêm-se apenas os recursos. Sendo assim, o progresso dos jogadores depende do máximo de batalhas que enfrentam e do total de itens que conseguem coletar antes de serem derrotados ou retornarem à base principal. E caso o jogador seja derrotado, perde mais da metade dos itens que adquiriu na partida.

No entanto, os cenários seguem com essa estética antiga que coincide com a proposta do jogo.

 

Considerações Finais

Loop Hero 6
Alternativa Nerd/Reprodução

 

Loop Hero é sem dúvida um jogo original e diferente de tudo já criado antes. O jogo possui um conceito instigante e bem elaborado, tornando-o repleto de conteúdo. Traz muita diversão e distração para aqueles que curtem RPG. É uma mistura de roguelike, construção de cartas e estratégia em tempo real e um pouco de idle game (jogos que demandam ações simples do jogador), realmente viciante.

O único aspecto negativo do jogo são as mecânicas repetitivas, esse formato acaba desgastando e fazendo alguns jogadores cansar por não estarem habituados com este estilo de jogo. O segmento indie segue surpreendendo com suas ideias originais.

Prós: 

  • Mistura entre RPG, roguelike, CCG e idlegame;
  • Grande quantidade de interações entre os elementos;
  • Ambientação visual em pixelart;
  • Trilha sonora nostálgica em chiptune;
  • Bem adaptado para o modo portátil;
  • Ótima jogabilidade através da tela de touchscreen;
  • Apesar de ter jogado em inglês, há possibilidade de colocar legendas em PT-BR.

 

Contras:

  • Partidas semelhantes entre si e de ritmo arrastado;
  • Mecânicas repetitivas para avançar no jogo;
  • Elementos que atrapalham as partidas.

 

Nota Final: 9,5/10

 

Descrição

Desenvolvido pela Four Quarters e publicado pela Devolver Digital, Loop Hero (Nintendo Switch) chegará no dia 9 de dezembro.

Vários jogos independentes estão concorrendo ao The Game Awards 2021 — premiação que elege os melhores jogos do ano. Este ano, entre os games selecionados está Loop Hero, da Devolver Digital, concorrendo na categoria Melhor Jogo Indie.

 

 

A chave de Loop Hero foi cedida pela Devolver Digital para a realização desta review.

 

Leia mais sobre: Loop Hero