Jurassic World: Acampamento Jurássico | Review com Spoilers da 4ª Temporada!

7 meses atrás
1945

Na última sexta-feira (03 de Dezembro), Jurassic World: Acampamento Jurássico, acabou de realizar a estreia de sua quarta temporada através da plataforma de streaming da Netflix, e como de praxe acabou agradando muitos e desagradando muitos outros com o que foi apresentado durante o decorrer da nova temporada.

Entretanto, devemos ter em mente que mesmo sendo parte do universo cânon da franquia Jurassic Park, essa parte que funciona como um spin-off entre os filmes Jurassic World: O mundo dos dinossauros e o Jurassic World: Reino Ameaçado corresponde uma faixa etária menor do que esperada nos filmes que estreiam primeiramente nas telonas ao redor do mundo. Além, de que, a história que é inspirada pela obra de Michael Crichton é um sci-fi. 

Antes de iniciarmos nossa review devemos relembrar o que é contado nessa série infanto-juvenil:

Seis jovens acabam de serem selecionados para embarcarem numa aventura na Isla Nublar dentro do fantástico Jurassic World, numa nova atração que será testada por eles: o Acampamento Jurássico. Porém, no meio das diversões almejadas pelo jovem sonhador Darius e seus colegas, também há conflitos adolescentes e um imprevisto que os farão lutar para sobreviver naquele parque temático com criaturas trazidas a vida com a biotecnologia focada na genética do DNA reconstruído.

Dos dinossauros típicos como: Tiranossauros, a nossa querida e amada Rexy; carnotauro raivoso, Toro; a doce anquilossauro, Bolota; enxame de procompsógnato, os terríveis compinhos e outros diversos dinossauros que foram sendo inseridos na franquia; temos também os que são ainda mais modificados como a Indominus Rex e a “E750” – Scorpius Rex; sem contar os caçadores de dinossauros interesseiros que fingiram ser aqueles que iriam resgatar os jovens, que estão sempre no caminho evitando que nossos mocinhos consigam realizar o grande desejo de voltarem para seus lares após seis meses presos na ilha.

Logo da série
Conceito original dos personagens da obra

 

“A partir deste ponto haverá spoilers, siga por sua própria conta e risco”

 

A quarta temporada se inicia com a tão esperada saída da ilha onde localizava o parque temático de Simon Masrani e que se tornou, até então, o único lugar onde os dinossauros dominam no planeta Terra. Com o iate enfim arrumado e podendo navegar, voltamos aos conflitos internos que foram ocasionados nos últimos episódios da terceira temporada que envolvem três dos seis personagens principais: Darius Bowman, Kenji Kon Brooklyn.

Somos levados a acreditar que tais conflitos tomou uma proporção mais intensa devido as despedidas e os nervos à flor da pele, mas não é muito discutido devido a presença de um forasteiro na navegação: um compinho. E devido este pequeno dinossauro encrenqueiro acabou fazendo algumas teorias e expectativas de fãs irem água abaixo, muitos esperavam que poderia ser um dos barionix que caçou Tiffy e até mesmo uma filhote de Scorpius Rex que tenha nascido perto da embarcação, mas o nosso querido compinho teve uma importância para a história: mostrar que os BRAD’s não estavam para brincadeira.

A esperança de desembarquem na Costa Rica logo é tirada devido a presença da Mosassauro que fugiu da lagoa na temporada passada (na mesma linha cronológica do início do segundo filme Reino Ameaçado), causando um acidente e danificando tanto a embarcação que a torna apenas sucata no litoral de uma ilha desconhecida por todos.

O local não se assemelha a nada a Costa Rica, mas sim a Austrália, com seu clima desértico e diversos cactos, deixando todos novamente com seus ânimos quebrados, mas continuam lutando e procurando um modo de sair daquele lugar; separados por uma terrível tempestade de areia, eles descobrem que não são os únicos naquele lugar e que foram parar num local tão jurássico quanto a Isla Nublar, afinal seu novo e perigoso companheiro é nada menos que um Tigre-Dente-de-Sabre. 

Então, a partir deste momento, notamos que aquela ilha é mais uma criação humana e não natural. Totalmente tecnológica, com diversos biomas e outros animais extintos há milhares de anos atrás por biotecnologia, desta vez, por uma empresa apresentada na primeira temporada que veio sendo citada milhares de vezes e que foi explorada nessa temporada de uma forma um pouco mais ampla: a Mantah Corp. 

Também é apresentado novos dinossauros como: o kentrossauros, Pierce; as duas tiranossauros, mãe e filha, que protagonizam muitas cenas que acabam com o mito do T-rex ser um crápula com seus filhos como foi feito no livro e filme O Mundo Perdido; um filhote e de braquiossauro, que acaba se apegando ao Ben, como a Bolota; a volta do espinossauro e os icônicos dilofossauros, um ceratossauro; e o ponto alvo de todas as cenas fofas e uma explicação como a modificação de DNA funciona, o casal de irmãos Rebel Angel, que são uma mistura entre o espinossauro (carnívoro extremamente agressivo) e um sinoceratops (herbívoro pacífico). E não devemos esquecer dos três novos humanos apresentados, sendo eles:  Drª Mae, que trabalha para a empresa sem saber os reais motivos que desejam realizar com suas pesquisas; o imprudente e arrogante Kash, que logo descobrimos que é aquele que ameaçou a família de Sammy e controla a ilha com seus robôs; e o personagem que ninguém esperava que seria apresentado logo no final do último episódio da temporada, Daniel Kon, pai do Kenji e dono da Mantah Corp. 

E o objetivo principal da Mantah Corp, não era apenas concorrer com o Jurassic World, mas sim criar uma ilha de extremos para que os dinossauros se tornem cada vez mais e mais agressivos para batalharem entre si, tornando uma rinha de criaturas pré-históricas. Um entretenimento agressivo e massivo, no qual nem as crianças e Mae podem concordar e precisam libertá-los desta crueldade.

Fazendo que todos caiam numa armadilha e continuem presos numa ilha rodeados de criaturas gigantescas que pretendem devorá-los em minutos, com pessoas más que estavam mais perto deles do que o esperado.

Frame da 4ª temporada
Yasmina e Sammy com Angel, dinossauro hibrido

 

 

“Outros pontos que devemos levar em conta:”

Como dito anteriormente no começo, é uma série infanto-juvenil, então por motivos óbvios não mostraria tantos que causem espanto ou desconforto em pessoas menores de idade. O cuidado parece ter sido redobrado nesta temporada, fazendo que aquela coisa selvagem faça um pouco de falta.

Um ponto positivo foi mostrar que nem todas as amostras de DNA vieram de espiões de dentro do parque, como o Eddie Sammy, que muitas amostras vieram da esquecida e selvagem Isla Sorna. Mostrada nos últimos dois filmes da franquia Jurassic Park e antes do inicio do Jurassic World, onde se encontram o espinossauro que participou da icônica briga contra um tiranossauro e dos grupos de velociraptores com penachos cinzas e os tigrados.

Nessa temporada também foi mostrado um pouco mais dos desenvolvimentos entre os personagens, como Ben acreditando fielmente em seus instintos; Yasmina mostrando que também tem medo e fraquezas como os outros e os muros que ela construiu ao redor de si mesma para que ninguém visse esse lado dela, acabaram desmoronando; a agilidade de Darius em espionar Kash e seus planos; além do que agradou muitos e deixou outros um pouco desgostosos, o casal entre os amigos: Kenji Brooklyn. 

E como uma série infanto-juvenil, era de esperar que alguns personagens formariam casais entre si e teriam um arco de desenvolvimento pessoal, que acabou pegando a temporada inteira entre os jovens.

Agora apenas nos resta esperar que em 2022 venha uma quinta temporada mostrando e resolvendo diversos pontos que foram abertos e ainda não tiveram uma resposta completa em si.

Assista o trailer da nova temporada abaixo:

 

Jurassic World: Acampamento Jurássico e quatro dos cinco filmes da franquia podem ser assistidos na plataforma de streaming da Netflix.